Mais de 200 mil brasileiros caíram em golpe no Whatsapp em uma semana

Não se deixe enganar pela falsa promessa de videochamada no WhatsApp. O golpe não é novo, mas mais de 200 mil brasileiros já foram impactados por ele nos últimos sete dias, segundo a empresa de segurança digital PSafe.

O falso serviço está se espalhando não só por grupos de WhatsApp como também pelo Facebook, com o objetivo de despertar a curiosidade das vítimas. Isso porque, ao tentar ativar o recurso de videochamada, o usuário é direcionado para o cadastro do celular em um serviço de SMS pago.

Para evitar este tipo de transtorno, a PSafe orienta que os internautas tenham cuidado com atualizações externas de aplicativos. Procure sempre baixar apps e atualizações de lojas oficiais, como a Google Play e a App Store.

Ainda assim é importante conferir se o aplicativo é verdadeiro, lendo a descrição com atenção, checando os comentários e desconfiando daqueles que prometem itens extras em jogos.

É recomendado ainda ter um antivírus instalado no smartphone, que identificaria a página maliciosa e alertaria o usuário do golpe.

Cuidado! Novo golpe no WhatsApp promete videochamada no app

Com o título em negrito “WhatsApp começa a liberar vídeochamdas”, a mensagem inclui um link falso que promete a ativação do recurso.

Para que a ação seja mais efetiva e engane o maior número de usuários, os cibercriminosos usaram um falso domínio “xxx.whatsapp.com”. Mas, ao clicar no link, a vítima é levada para uma página em que o golpe é efetivado.

WhatsApp como isca
Nos últimos meses, empresas de segurança digital têm identificado uma série de golpes aplicados pelo WhatsApp. Em geral, o modo de atuação é bem parecido e tem como objetivo enganar o maior número de pessoas com promessas de promoções e serviços exclusivos.

“Golpes no WhatsApp estão cada vez mais frequentes. Os cibercriminosos utilizam a engenharia social para chamar a atenção dos usuários e persuadi-los a divulgar informações pessoais, compartilhar contatos e acessar conteúdos maliciosos”, afirma Camillo Di Jorge, presidente da ESET.

Segundo ele, as pessoas que utilizam o WhatsApp precisam ficar atentas aos conteúdos que recebem. “A melhor forma de evitar problemas é ter uma solução de segurança instalada no smartphone e não clicar em links que prometem promoções, jogos ou novas aplicações”, reforça o especialista. (As são do UOL, em São Paulo)

SE Notícias

Share This: